ÓLEOS DE COZINHA: COMO USÁ-LOS.

São vários tipos e sabores, e algumas marcas prometem uma série de benefícios à saúde. É normal ficar na dúvida sobre qual usar e quando. Importante lembrar que os óleos vegetais são essenciais para a dieta, por isso eles não devem ser eliminados da alimentação, pois fornecem ácidos graxos importantes que são imprescindíveis para a absorção das vitaminas lipossolúveis (A, D, E, K).

O que diferencia um óleo vegetal de outro é o tipo de cadeia de gorduras, que pode ser insaturada (gordura benéfica ao organismo) ou saturada (deve ser consumida em menores quantidades). Dependendo do que você vai preparar na cozinha, é bom ter em mente como cada um desses óleos podem beneficiar o sabor do seu prato e a sua saúde.

Veja a seguir, as principais diferenças entre os óleos mais conhecidos:

Óleo de canola

Tem 58% de gordura monoinsaturada em sua composição, a mesma gordura existente no azeite, com a vantagem de ter o preço bem mais em conta. A gordura monoinsaturada é estável e, por isso, pode ser aquecida em qualquer situação na cozinha. Aguenta até 180° C.

Azeite

GRUPO SAUDE

Sua composição é bem diferente dos outros óleos vegetais. Embora também tenha várias propriedades nutricionais, durante o seu processo de produção ele passa por um aquecimento, reduzindo seus benefícios, por isso a recomendação do extra virgem. Não é ideal para frituras pesadas, pois as propriedades benéficas do azeite se modificam com as altíssimas temperaturas. Como é muito saboroso, e ideal para refogar, assar, cozinhar e em preparações frias. A acidez também é um fator a ser observado no azeite. Alguns especialistas dizem que o ideal é comprar aqueles com acidez de 0,5% ou menos.

Óleo de coco

E rapidamente absorvido e metabolizado. Sua gordura nunca é estocada, por isso é muito utilizado nas dietas. Pode ser usado em tudo na cozinha, mas carrega um leve sabor da fruta. O óleo de coco não é muito recomendado para ser usado em frituras, pois além de ser um uso pouco saudável, pode deixar os alimentos com gosto de coco, como a batata frita e carnes, por exemplo.

Óleo de girassol

Tem apenas 10% de gordura saturada. Bom para frituras de carnes e peixes. Mas seu sabor pode sobressair em molhos e temperos. Fora isso, mantém as características originais do alimento, sem alteração de sabor, cor e cheiro. É um pouco mais resistente do que os outros óleos, podendo ser aquecido até 200° C.

Óleo de milho

Contém uma boa quantidade de ácido linoleico, conhecido pelo seu potencial anti-inflamatório. Com um porcentual de gordura saturada de 13%, ele pode ser uma boa alternativa ao popular óleo de soja. Não deve ser submetido a temperaturas muito altas e seu consumo frio não é indicado. Por isso, é o ideal para fazer bolos e receitas doces, em geral, sendo usado na mistura de ingredientes na massa.

Óleo de soja

É um dos mais consumidos devido ao seu sabor, que é mais suave quando comparado aos outros óleos. Seu percentual de gordura saturada é de 15%. Ou seja, possui 85% de gordura insaturada, que traz uma série de benefícios ao organismo. Melhor opção para fritura, visto que resiste ao aquecimento. Sem perder as propriedades, mas não é dos mais saborosos. É o óleo mais em conta do mercado. Pode ser aquecido até 180° C.

Óleo de linhaça

O óleo de linhaça contém 9% de gorduras saturadas. O óleo de linhaça é usado frequentemente por diabéticos, pois ajuda a estabilizar os níveis de açúcar no sangue e a prevenir a obesidade, devido às fibras solúveis, que absorvem algumas substâncias como a glicose, eliminando os picos glicêmicos, o que é ótimo para quem quer manter uma dieta consistente. O ideal e ser consumido em comidas frias. Funciona muito bem em molhos para salada, misturado com iogurte e no tempero de cottage e ricota.

Óleo de algodão

Rico em ácidos graxos ômegas 6 e 3 e em vitamina E, resiste bem às variações de temperatura. O óleo de algodão é indicado para preparações que precisam ser realizadas em fogo alto (frituras), pois mantém seus benefícios mesmo depois de aquecido. Não é o mais indicado para as preparações frias devido ao seu sabor forte, que não agrada a todos. O óleo de algodão tem uma porcentagem mais alta de gordura saturada, em relação aos outros óleos, que representa cerca de 27% de sua composição.

Óleo de dendê

Com 50% de gordura saturada, o óleo tem uma enorme quantidade de betacaroteno, que ajuda na saúde dos olhos e da pele, além de ser extremamente antioxidante, auxiliando na prevenção de doenças cardiovasculares. Deve ser consumido com mais parcimônia devido à baixa propriedade nutricional.

compartilhar fb

[sg_popup id=”15″ event=”onload”][/sg_popup]

[sg_popup id=”18″ event=”onload”][/sg_popup]