ENDOMETRIOSE: A DOENÇA DA MULHER MODERNA

Endometriose é a presença do endométrio (tecido que reveste o útero internamente) fora da cavidade uterina. Ela é conhecida como “a doença da mulher moderna”, pois seu aparecimento parece ser influenciado pelo padrão de vida feminino atual: a mulher tem menos filhos, engravida mais tarde e é submetida constantemente a um maior nível de estresse.

Todos estes fatores estão ligados a um hormônio chamado estrogênio, produzido nos ovários e que é responsável pelo crescimento desta doença. Ou seja, a partir da primeira menstruação até a menopausa, qualquer mulher pode ter endometriose. Hoje, a doença afeta cerca de seis milhões de brasileiras. De acordo com a Associação Brasileira de Endometriose, entre 10% a 15% das mulheres em idade reprodutiva (13 a 45 anos) podem desenvolvê-la e 30% tem chances de ficarem estéreis. Ainda não se sabe exatamente porque a endometriose se desenvolve. Possivelmente tenha um caráter genético ou ainda está relacionado à imunidade do organismo que não é capaz de conter o aparecimento da doença. A doença pode ocorrer em vários locais, mas a maioria deles está localizada na cavidade pélvica, como por exemplo:

  • Ovários
  • Peritônio (tecido que recobre os órgãos);
  • Intestino;
  • Ligamentos localizados atrás do útero (útero-sacros);
  • Região atrás do colo uterino (retrocervical).

Todos os meses, o endométrio fica mais espesso para que um óvulo fecundado possa se implantar nele. Quando não há gravidez, esse endométrio que aumentou descama e é expelido na menstruação. Em alguns casos, um pouco desse sangue migra no sentido oposto e cai nos ovários ou na cavidade abdominal, causando a lesão endometriótica. As causas desse comportamento ainda são desconhecidas, mas sabe-se que há um risco maior de desenvolver endometriose se a mãe ou irmã da paciente sofrem com a doença.

endometriose

SINTOMAS

Os principais sintomas da endometriose são dor e infertilidade. Aproximadamente 20% das mulheres têm apenas dor, 60% têm dor e infertilidade, e 20% apenas infertilidade.

GRUPO SAUDE

Existem mulheres que sofrem dores incapacitantes e outras que não sentem nenhum tipo de desconforto. Entre os sintomas mais comuns estão:

  • Cólicas menstruais intensas e dor durante a menstruação;
  • Dor pré-menstrual;
  • Dor durante as relações sexuais;
  • Dor difusa ou crônica na região pélvica;
  • Fadiga crônica e exaustão;
  • Sangramento menstrual intenso ou irregular;
  • Alterações intestinais ou urinárias durante a menstruação;
  • Dificuldade para engravidar e infertilidade.

A dor da endometriose pode se manifestar como uma cólica menstrual intensa, ou dor pélvica/abdominal à relação sexual, ou dor “no intestino” na época das menstruações, ou, ainda, uma mistura desses sintomas.

endometriose

Os sintomas não necessariamente ocorrem todos ao mesmo tempo e nem sempre a intensidade maior dos sintomas sugere que a paciente tenha uma doença mais grave. Mas diante de qualquer sintoma sugestivo da doença, é importante que a mulher procure seu ginecologista.

DIAGNÓSTICOS

A endometriose é uma doença de diagnóstico especializado. Para sua comprovação, é necessária uma análise ginecológica e de exames de imagem minuciosos feita por médicos experientes em tratar a doença. Em pacientes com sintomas de endometriose realiza-se o exame ginecológico e por meio do toque vaginal. Pode ser possível sentir um nódulo no fundo da vagina ou um cisto no ovário que podem ser sugestivos da doença. Porém, exames de imagem como ultrassom transvaginal com preparo intestinal e ressonância magnética são fundamentais para a confirmação da suspeita do diagnóstico da endometriose.

EXAMES

A endometriose ainda é uma doença difícil de diagnosticar por meio do exame físico, ou seja, realizado durante a consulta ginecológica de rotina. Dessa forma, os exames de imagem são mais adequados para indicar a possível existência do problema, que será confirmada posteriormente por meio de exames laboratoriais específicos.

Entre os exames de imagem que podem sinalizar a endometriose, destacam-se:

  • Ultrassonografia transvaginal
  • Ressonância magnética
  • Ultrassonografia transretal
  • Ecoendoscopia retal
  • Tomografia computadorizada

Após a identificação de alguma alteração, o médico poderá optar por realizar uma biópsia da lesão encontrada, de modo a confirmar o diagnóstico. Essa avaliação será realizada por meio de exames chamados laparoscopia e laparopotomia.

TRATAMENTOS E CUIDADOS

Dois tipos de tratamento podem ser usados para combater as dores da endometriose: medicamentos ou cirurgia. Cada um deles tem suas especificidades, e cabe ao ginecologista avaliar a gravidade da doença em cada caso e recomendar o melhor tratamento. Vale lembrar que, dependendo da situação, ambos os procedimentos são feitos de maneira integrada.

Tratamento cirúrgico:

Nesse procedimento, a endometriose é removida por meio de uma cirurgia chamada laparoscopia. Em alguns casos, é possível eliminar apenas os focos da doença ou as complicações que ela traz – como cistos, por exemplo. No entanto, em situações mais sérias, o procedimento precisará até remover os órgãos pélvicos afetados pela enfermidade. Dependendo das condições da doença, é possível recorrer a tratamento por laparoscopia, com laser. Também é possível a realização da videolaparoscopia, na qual diagnosticará o número de lesões, aderências, a obstrução tubária e já tratar a doença.

Tratamento com medicamentos:

Existem diversos medicamentos disponíveis no mercado para tratar a endometriose.

Antes de começar o tratamento, caso a paciente deseje engravidar, poderá ser indicado o encaminhamento para um Centro de Reprodução Humana, pois a melhor alternativa para a mulher que possui endometriose e deseja ter filhos é a fertilização in vitro. Isso porque a presença da endometriose não afeta as taxas de gravidez quando escolhido esse método.

É importante compreender que não existe cura permanente para a endometriose. O objetivo do tratamento é aliviar a dor e amenizar os outros sintomas, como favorecer a possibilidade de gravidez e diminuir as lesões endometrióticas.

A conscientização da mulher que tem endometriose é extremamente importante para evitar a progressão e retorno da doença. Siga as orientações do seu médico e cuide bem da saúde dando atenção à alimentação e ao sono e praticando exercícios físicos aeróbicos regulares.

CONVIVENDO

Se a doença for detectada logo no início, o tratamento poderá ser instituído precocemente, aumentando a efetividade de alívio dos sintomas. Para isso, a mulher deverá relatar ao médico as situações atípicas e quaisquer outros problemas que possam ser sintoma da endometriose.

compartilhar fb

[sg_popup id=”10″ event=”onload”][/sg_popup][sg_popup id=”18″ event=”onload”][/sg_popup]