COMO AGEM OS ANTI-INFLAMATÓRIOS?

Um dos medicamentos mais utilizados em todo o mundo são os anti-inflamatórios não esteroides. Existe uma grande quantidade de marcas e componentes ativos diferentes. Apesar das diferenças entre cada um delas, na realidade todas têm algumas características comuns. Assim, todos os anti-inflamatórios têm uma ação anti-inflamatória (controlam a inflamação), antipirética (diminuem a febre), e analgésica (ajudam a reduzir a dor).

As principais diferenças entre cada um dos componentes ativos utilizados nos medicamentos, estão relacionados principalmente ao poder de cada um deles em relação ao efeito e aos efeitos colaterais que provocam.

Como agem os anti-inflamatórios?

Anti-inflamatório refere-se à propriedade de uma substância ou de um tratamento que reduz a inflamação. Os anti-inflamatórios compõem cerca de metade dos analgésicos, reduzem a dor e reduzem a inflamação, sem afetar o sistema nervoso central.

Os anti-inflamatórios não esteroides (AINE) são basicamente, inibidores das enzimas essenciais na transformação do ácido araquidónico (substância derivada dos ácidos graxos) em prostaglandinas e tromboxanos. Estas duas têm uma ação comprovada em processos como a dor, a inflamação e a coagulação. Assim, através da inibição da sua produção, pode-se controlar a intensidade de cada uma delas.

Efeitos colaterais

GRUPO SAUDE

Apesar dos anti-inflamatórios não esteroides serem medicamentos bastante seguros e amplamente utilizados por médicos de todo o mundo, na realidade, são também muitas vezes automedicados. Assim, quando isso acontece, não há controle na posologia, facilitando por isso a ocorrência de efeitos colaterais. Além disso, existe interação entre as substâncias dos anti-inflamatórios não esteroides e de outros medicamentos que devem ser verificados, sob o risco de elevar ainda mais os efeitos secundários quando utilizados.

Principais efeitos colaterais provocados pelos anti-inflamatórios não esteroides.

  • Todos os anti-inflamatórios têm, além das três ações referidas acima, um efeito na coagulação do sangue. Todos os componentes utilizados nestes medicamentos têm a capacidade de diminuir a atividade das plaquetas sanguíneas. Este efeito colateral poderá ser benéfico, pois em caso de doentes com riscos de acidentes cardiovasculares, a diminuição da função das plaquetas pode ajudar o sangue a fluir mais facilmente. Como os anti-inflamatórios são desaconselhados para as grávidas, são apenas utilizados em casos de grande risco e com uma dosagem mínima. Já em casos de doentes submetidos a cirurgias, este efeito é muito perigoso, pois reduz a capacidade do sangue em estancar uma hemorragia.
  • Dispepsia (dor, arrotos, empachamento, sensação de peso, queimação, náusea e saciedade precoce).
  • Hepatite medicamentosa.
  • Perda de audição em idosos.
  • Hemorragia gástrica (se o uso se prolongar, poderá evoluir para uma úlcera gástrica).
  • Náuseas e vômitos.
  • Apesar do efeito benéfico em alguns casos de problemas cardiovasculares, tem no entanto uma ação prejudicial em indivíduos que sofram de hipertensão e de insuficiência cardíaca.
  • Não é recomendado o uso da varfarina com alguns antiinflamatórios porque estes podem potencializar o seu efeito.
  • Síndrome nefrótica.
  • Alergias (eritemas, urticária na pele, ou ainda, em casos muito raros, choque anafilático).
  • As prostaglandinas têm uma função fundamental no funcionamento dos rins. Assim, a sua inibição irá prejudicar o fluxo de sangue nesses órgãos. Enquanto uma pessoa saudável tolera essa alteração durante algum tempo, no caso de um indivíduo com problemas renais, essa inibição poderá levar a uma insuficiência renal aguda. Todos os anti-inflamatórios não esteroides têm um efeito prejudicial nos rins, e como tal, são totalmente contraindicados para doentes renais.
  • A ingestão destes medicamentos irá inibir a ação dos diuréticos.

Dependendo do caso, os anti-inflamatórios fármacos poderão ser substituídos por outros elementos que possuem as mesmas propriedades, porém sem efeitos colaterais, como o gelo e alimentos naturais cujo efeito ocorre gradativamente.

Quando algum sintoma se manifestar, indicando a necessidade do uso de um anti-inflamatório, um médico deverá ser consultado. O tipo de anti-inflamatório e as quantidades a serem administradas, deverão ser determinadas somente por um profissional da área.